Samuel Cavalcante

Discussões sobre Engenharia, Tecnologia, Arduino e outros

Olá pessoal, hoje vou falar de uma retrospectiva que criei. Essa foi uma das retrospectivas mais assertivas que usei, estávamos em um momento do time um pouco desanimado no âmbito inovação e com dificuldades de comunicação.

iqoption Iniciai a retrospectiva apresentando o Cenário, “- Time, hoje iremos fazer uma retrospectiva diferente com foco no nosso processo de desenvolvimento e qualidade. Mas antes vamos fazer uma atividade de Ice Break”.

Peguei uma caneta e fiz 2 traços no flip chart, logo expliquei a atividade:

A partir desses dois traços próximo membro do time faz mais dois traços, e assim por diante. O objetivo é desenhar uma casa. Mas temos regras:

  • Não pode falar o que esta pensando ou direcionar o desenho do colega.
  • Cada um tem que fazer dois traços, pode ser reta ou curva, em qualquer lugar do flip chart.
  • Ao final de cada rodada (todos do time) eu perguntava “- Esta bom ou querem mais uma rodada?” Se sim realizava outra rodada até o time aceitar o resultado ou o tempo acabar (máximo 20 minutos ou 3 rodadas).
  • Se você for replicar na sua empresa pode fazer 3, 2 ou 1 traço, dependendo do tamanho da equipe.

Depois do desenho pronto, a casa ficou assim:

Casa 1

Casa 1

Casa 2
Casa 2

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

É uma atividade bem divertida que descontrai o time.

Logo o expliquei ao time que a dinâmica tem outro objetivo, que era analisar o que estamos construindo e como estamos construindo. Então conclui o desenho fazendo duas caçambas na frente da casa e escrevi em 4 post-its o seguinte:

  1. O que produzimos? – Esse post-it pode ser colocado em qualquer parte da casa. O time colocara a opinião dele ao redor deste post-it Software.
  2. O que melhoramos? – Este post-it pode ser colocado na parte onde o time mais mexeu e que ficou mais “bonita” ou harmoniosa no desenho.
  3. Aonde Erramos? – Coloca o post-it encima da caçamba vazia.
  4. O que podemos melhorar? – Coloca o post-it encima da caçamba cheia de ideias.

Explica para o time que: – Sabia que o desenho foi feito em uma atividade de descontração, porem podemos fazer de conta que este seria um software que estamos entregando, então vamos analisar a partir do que construímos o nosso processo de produção e a qualidade do software (Obs. Aqui o facilitador coloca o tema que for necessário, foco no objetivo, dentre outros).

Então expliquei para o time o significado de cada post-it grande

  1. O que produzimos? – O que você enxerga que tem entregado para o nosso cliente.
  2. O que melhoramos? – O que você tem feito para melhorar a entrega.
  3. Aonde Erramos? – A caçamba esta com bastante espaço para jogar fora as coisas que tem feito e não acha legal ou que tem atrapalhado o desenvolvimento.
  4. O que podemos melhorar? – Essa caçamba esta cheia de ideias que você pode usar para colocar nas próximas interações.

Após todos escreverem e colares os post-its realizamos as discussões e definição das ações.

Dicas para que esta se aventurando em retrospectivas:

  • Antes de iniciar as atividades da retrospectiva, faça um checklist rápido com o time sobre a ultima retrospectiva
    • O que foi decidido foi realizado.
    • Se foi realizado foi bom?
    • Se não foi realizado, ainda compensa ser realizado? (se sim já é uma ação)
    • Trabalhe com o tempo sem cortar as pessoas, buscar a objetividade
    • Explique aos participantes o porque estão ali, relembre o objetivo
    • Fale aos participantes que independente dos resultados acredita-se que cada um deu o melhor de si para atingir os objetivos propostos.

Por hoje é isso.

Abraços, comenta ai.

Fiquei pensando qual seria a melhor retrospectiva para postar agora, nesse ultimo mês fiz 4 retrospectivas com times Scrum, e acabei reafirmando a importância da mesma, dentro dos resultados a serem esperados do time.

Com os acontecimentos gostaria de salientar a importância da escolha da retrospectiva e a possibilidade de adaptação. O facilitador precisa identificar qual o momento do time, para escolher a retrospectiva (isso mesmo estude formação de times), a partir do momento do time, ele conseguirá ou não ser feliz na retrospectiva. Com essa visão inclui na retrospectiva do time ágil, os itens Quero Falar e Troféu.

KALM (Keep, Add, More, Less) em português (Manter, Adicionar, Mais, Menos) é uma atividade que promove uma retrospectiva sobre as atividades atuais e do valor percebido. Ele ajuda os membros da equipe a entender os valores de cada um e as práticas de interesse dos membros do time.

http://www.funretrospectives.com/kalm-keep-add-more-less/

O KALM (Keep, Add, More, Less) divide a placa em 4 áreas:

MORE (Mais) – algo (tecnologia, processo, pessoas) que já fazemos e precisamos fazer mais.

KEEP (Mantenha) – algo que a equipe fazemos e reconhecemos que esta indo bem.

LESS (Menos)- algo que fazemos e precisamos fazer menos ou parar de fazer.

ADD (Adicionar) – uma idéia nova, ou algo que você tenha visto e gostaria de trazer para a equipe/time.

A disposição dos itens no quadro tem sentido. O Less é algo que deve cair, o Keep é o centro equilíbrio, o More o que deve ser feito para melhorar a qualidade e o ADD ainda não sabemos se vai ser bom ou não, então ele entra para ser avaliado.

Retrospectiva KALM projetos de Software Agile/Ágil

Retrospectiva KALM projetos de Software Agile/Ágil

Segue exemplo de resultado:

Exemplo de Retrospectiva - Software realtimeboard.com

Exemplo de Retrospectiva - Software realtimeboard.com

Como os times, com os quais fiz essa retrospectiva, estavam em um momento delicado de Release, acrescentei dois itens nesta retrospectiva. Quero Falar e Troféu.

Quero Falar – a ideia é um espaço aberto para as pessoas falarem o que quiserem desde o interesse em usar bermudas até que a empresa esta entrando em uma fase difícil.

O troféu – é para os membros darem um voto para o colega que fez a diferença na ultima iteração/Sprint.

Por hoje é isso. E ai os posts estão sendo uteis? Manda um feed ai.

Continuando a serie de posts sobre retrospectivas, hoje vou falar sobre a Retrospectiva dos 3Ls LIKED (gostei), LEARNED (aprendi) e LACKED (faltou).

Recapitular o que concluiu-se sobre retrospectiva no post “Retrospectivas em times de desenvolvimento de software”. Que Retrospectiva é o ato de reunir o time para refletir como esta o desenvolvimento do Time, do produto, do processo de produção, dentre outros. A necessidade de refletir é confirmada nos Princípios por trás do manifesto ágil (2013) “Em intervalos regulares, o time reflete em como ficar mais efetivo, então, se ajustam e otimizam seu comportamento de acordo.”

A retrospectiva dos 3 Ls foi a primeira que usei, é uma atividade simples e eficiente.

Materiais:

  • Quadro branco ou Flip Chart.
  • Post-it – mínimo 2 cores.
  • Canetas.

Realizando a atividade

1 – Escrever a dinâmica no quadro, segue exemplo:

Foto de Samuel Cavalcante

Foto de Samuel Cavalcante

Observação: analise seu time e caso acredite interessante escreva em português

2 – Explicar o significado de cada item, fazendo alguns exemplos de post-its e colando no quadro, embaixo da escrita:

  • LIKED (Gostei) – coisas que você realmente gostou (exemplos: Nova tecnologia no desenvolvimento; a presença do cliente na ultima Review; o comprometimento do time).
  • Learned (Aprendeu) – coisas que você aprendeu (exemplos: Diárias; Repensar a forma de escrever os meus PBI’s; Comunicação; Hibernate + JPA.)
  • Lacked (Faltava) – as coisas que não ocorreram ou que sentiu falta (exemplos: Pareamento; Burndown atualizado diariamente antes da diária; Planejamento).

3 – Depois de explicado os membros do time vão escrevendo nos post-its e colando no quadro, é importante relembrar as pessoas do foco da retrospectiva, sendo normalmente a analise da ultima Sprint ou Iteração, ou seja, as pessoas escrevem sobre o que estão sentindo ou percebendo sobre: o processo, as tecnologias, o time, mim, produto. Sendo relacionados a ultima Sprint.

O Scrum Master ou Facilitado, deve estar atento a tudo e também pode escrever post-its e colar no quadro. Só não escreve as pessoas que não fazem parte do time, alias estas nem deveriam participar da retrospectiva, pois é uma coisa de time.

4 – Logo todos tenham interagido, o Facilitador ou Scrum Master parte para a leitura dos post-its e solicita a explicação do que esta escrito. (aqui cabe lembrar de Time-boxed, então o Facilitador deve prestar muita atenção para saber a hora de encerrar uma discussão).

5 – Ao decorrer das discussões será possível observar que existem itens passiveis de ações, então ao final o Facilitador em parceria com o time, analisam os pontos mais críticos e definem as ações de melhoria para a próxima Sprint ou Iteração.

Exemplo de ações:

  • Atualizar Burndown antes da reunião diária (estava em Faltou);
  • Melhorar o foco na Planning Técnica (estava em Faltou).
  • Usar o Hibernate (estava em Aprendizado);

Feito agora é só ajudar o time a realizar as ações propostas. Obs. Tudo tem que ser definido pelo time, o facilitador não manda nem impõe nada, ele ajuda as pessoas a chegarem ao objetivo. O facilitador deve lembrar de agradecer o time pelo esforço realizado.

Fontes:

http://www.funretrospectives.com/the-3-ls-liked-learned-lacked/

http://www.funretrospectives.com/happiness-radar-3-ls-dot-voting/

Retrospectivas em times de desenvolvimento de software | Uma visão sobre retrospectivas

Faz dias que tenho procurado o que escrever no Blog, vou diversificar um pouco, falar sobre retrospectivas, focando em retrospectivas para de desenvolvimento de software ágil.

Mas o que é a Retrospectiva Scrum ou Retrospectiva Ágil, no desenvolvimento do Software?

Antes vamos refletir: Quantas pessoas perfeitas você conhece? – Além de você mesmo nenhuma né?! Ok, então quantas equipes/times perfeitos você conhece? Melhor ainda, quantos grupos, que você conhece realmente são equipes/times?

Uma visão que pode ajuda a identificar se é um grupo ou um time. “Um grupo transforma-se em equipe quando passa a prestar atenção à sua própria forma de operar e procura resolver os problemas que afetam seu funcionamento.” (MOSCOVICI, p. 5, 2007) e principalmente quando isso é realizado de forma recorrente, com ciclos de auto avaliação.

Em outras palavras, um grupo se transforma em equipe ou time quando passa a realizar retrospectivas que buscam a melhoria continua, realizando questionamentos de qualidade em processos, produtos, resultados e pessoas.

Então retrospectiva, é o ato de reunir o time para refletir como esta o desenvolvimento do Time, do produto, do processo de produção, dentre outros. A necessidade de refletir é confirmada nos Princípios por trás do manifesto ágil (2013) “Em intervalos regulares, o time reflete em como ficar mais efetivo, então, se ajustam e otimizam seu comportamento de acordo.”

E qual o formato desta retrospectiva?

Segundo GOMES (p.105, 2012) “Diana e Derby propõem cinco passos básicos para a realização eficiente de uma reunião de retrospectiva ágil. Esses passos ajudarão o facilitador a guiar a reunião e levar os membros da equipe a trazer à tona possíveis itens a serem melhorados e ideias para alcançar as melhorias.” Os passos citados pelo André Farias GOMES, são Preparação, Apresentação dos Dados, Insights, Decidir o que fazer, Fechamento.

Mas a grande maioria dos profissionais com quem converso normalmente começaram a usar a retrospectiva de forma mais simples, dividindo em 3 partes.

1) Ice Break: Uma atividade (dinâmica) para fazer o pessoal rir, literalmente um quebra gelos.

2) Os dados e discussões (a retro convencional): é o momento de reflexão, seguindo no mínimo as três perguntas dos Guias agile e Scrum.

  • O que foi bom do decorrer da Sprint;
  • O que não bom do decorrer da Sprint;

3) Ações: decidir o que fazer para melhorar na próxima Sprint1.

Normalmente isso é realizado em quadros com post-its, para que seja visível a todos os membros dos times.

Vou desenvolver uma serie de posts com as retrospectivas que fizer com os times em que trabalho como Scrum Master. Enquanto isso se precisar de alguma leitura extra sobre o assunto acesse: http://agileretroactivities.blogspot.com.br/ algumas das retros que vou postar aqui será o reflexo deste blog, mas antes vou testar.

Abraços,

Samuel Cavalcante.

1 Sprint: Cada Sprint pode ser considerada um projeto com horizonte não maior que um mês. A Sprint é corrida no desenvolvimento do sistema focando na entrega de uma parte do sistema que seja usável pelo cliente.

GOMES, André Farias. Agile Desenvolvimento de Software com entregas frequentes e foco no valor de negócio. Ed. 1. Casa do Código. 2012. São Paulo.

MOSCOVICI, Fela. Equipes dão certo: a multiplicação de talento humano. Ed 11. José Olimpo, 2007. Rio de Janeiro.

Princípios por trás do manifesto ágil. Disponivel em: <http://manifestoagil.com.br/principios.html>. acesso em 20 de Nov. 2013.

Recentemente comprei um Arduino da RLRobotics, ele tem as mesmas configurações de instalação de drivers do Arduino UNO.

Bom o que aconteceu de diferente foi na hora de instalar o driver do Arduino no Windows 8, o negocio não funcionou. Deu um erro “Este INF de terceiros não contém informações sobre assinatura digital”. Perguntei para o Rogério da RLRobotics e ele me respondeu com esse link http://arduino.cc/forum/index.php?topic=94651.15 em inglês. Estudei um pouco mais nos fóruns e no site da Microsoft e consegui fazer os procedimentos descritos no link. Então segue ais um tutorial de como fazer a instalação do Arduino UNO no Windows 8 e Arduinos compatíveis.

Liberando o Windows 8 para instalação de drivers sem assinatura Digital.

Para isso será necessário fazer modificações nas configurações de Inicialização do Windows. Para acessar essas antigamente se utilizava o utilizávamos o F8, mas agora isso não funciona mais. Então precisa clicar em reiniciar o computador, estando com a tecla Shift pressionada, segue imagens.

Clique em configutações

Windows 8 botão de Configuração

Segure o Shift prescionado e clique em reiniciar, como na figura

Reiniciando o Windows 8 para configurações

O SO será reiniciado e aparecerá a tela abaixo, você deve clica na opção Solução de Problemas

Tela solução de problemas Windows 8

Logo, na tela Solução de Problemas, clique em Opções Avançadas

Solução de Problemas Windows 8

Então, na tela Opções Avançadas, selecione Configurações de Inicialização.

Opções Avançadas de inicialização Windows 8

Clique em reiniciar, o computador será reinicializado para e abrirá na tela que deseja modificar.

Tela de configurações modificadas windows 8

Em fim chegamos onde queríamos, Digite 7 – Desabilitar Imposição de Assinatura de Driver

Definições de inicialização do Windows 8

Definições de inicialização do Windows 8

Depois utilize com computador como se fosse o Windows 7, para instalar os drivers.

Se quiser, pode voltar e fazer os mesmos passos para reabilitar a Imposição de Assinatura de Driver

Abraços,

Samuel Cavalcante

topo

O III ERI MS ocorreu nos dias 23, 24 e 25 de maio de 2012, o evento foi muito bacana. Participei como palestrante no dia 23 e como ministrante de um mini curso de Arduino no dia 24.

No 1° dia teve uma apresentação sobre liga de titânio, uma tecnologia nova que esta chegando no Brasil e serve como base para estudos da robótica para substituição membros do corpo humano. Fiz uma palestra sobre o Mercado de Trabalho TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação). Onde falei sobre as opções de mercado para os futuros profissionais, o que cada profissão de TIC faz no mercado, quais são os salários mais aplicados no Estado de MS, aonde estudar (SENAC/MS e outras escolas) e o que pensar para planejar o futuro profissional. Segue link para download da apresentação – PPT.

No inicio da noite do 1° dia de evento ocorreu a abertura logo o Mauricio Alegretti @malegretti fez uma palestra excelente sobre desenvolvimento Kinect, ele falou da evolução dos Games, como surgiu a idéia do Kinect, como o Kinect funciona e os primeiros passos para programar para Kinect.

Uma das melhores coisas no primeiro dia, foi comer num restaurante muito bom de Corumbá, Vila Bela, nossa, o Pintado a Urucum estava muito bom.

No 2° de evento ocorreram vários mini cursos, dentre eles o de Android ministrado no SENAC de Corumbá com os facilitadores Jeffmor e João Bosco. Outro mini curso foi o de Arduino, esse foi eu quem ministrou. O mais legal do mini curso foi quando perguntei, pessoal, quem já ouviu falar de Arduino? E no meio de 23 pessoas 2 levantaram a mão… isso abriu um leque de possibilidades para explorar o assunto. No mini curso que contou com o Apoio fundamental da UCDB pela pessoa do Alexsandro, que disponibilizou os kits de Arduino para fazermos as experiências.

No mini curso de Arduino a galera deu os primeiros passo até mover um motor de passo unipolar. Se eles entenderam alguma coisa eu não sei, mas sei que o pessoal ficou empolgado com a tecnologia.

Os materiais do mini curso de Arduino estão disponíveis aqui.

No mini curso de Android o Pessoal desenvolveu o TakaPorva, muito bacana.

Bom aconteceram outras coisas no evento, mas vou parar por aqui, qualquer coisa manda um e-mail ai que eu respondo.

Abraços.

Samuel Cavalcante.